Boas práticas:

Os procedimentos identificados como os melhores quanto à eficácia e à valorização da ética na realização de tarefas. Desde sempre o Homem encontrou na Natureza a fonte da sua sobrevivência e cedo compreendeu que a cultura de boas práticas tornava mais férteis os campos onde colhia os produtos do seu esforço, percebendo que seguir critérios de oportunidade aumentava os ganhos dos seus exercícios. Mais tarde, tomou consciência de que existe uma responsabilidade ética na criação de riqueza, que implica regras exigentes para o desafio da sustentabilidade e da protecção do ambiente. Para o bem da comunidade, para acrescentar valor ao futuro.

Virtuosismo:

Qualidade de intérpretes de talento excepcional que se destacam pela sua capacidade afinada de projectar e de dirigir. Ao longo do tempo, com uma indomável vontade de realização e de conquista, o Homem tem colhido experiência e ensinamentos no mundo que o viu nascer. Evoluiu e alcançou feitos prodigiosos por via da sua imaginação e da sua capacidade de agir sobre a realidade. Descobriu e criou, nas ciências e nas artes. Acumulou conhecimentos e multiplicou resultados. Enraizou valores e tornou-se intérprete de exigentes desafios, colocando o seu virtuosismo e a sua liderança ao serviço do bem comum.

Vanguarda:

Lugar onde se está à frente do tempo, nas decisões, na criatividade e na inovação, induzindo competitividade com uma visão ambiciosa de futuro. As cidades constituem o grau mais complexo da organização de vida em sociedade. Demonstram o progresso de culturas cuja têmpera forja um destino. São vida e energia, pólos onde se concentram as actividades de geração de valor, no plano científico, no universo das artes ou nos domínios económico e nanceiro. É nesses centros de decisão, símbolos de uma arquitectura e de uma engenharia de vanguarda, que o homem dá corpo aos mais ambiciosos projectos cuja dimensão apenas é ultrapassada pela grandeza dos seus sonhos.

Tecnologia:

O mundo hoje não vive sem ela, o conhecimento e a ciência não a dispensam para a resolução de problemas. A capacidade de comunicar existe na condição humana como um dom que se exprime em muitos idiomas que partilham a vontade de falar, de informar e de ser informado. O património comum de conhecimento é hoje um dos pilares do mundo global, quer pela rapidez a que se propaga como pela noção de proximidade que transmite. As inovações tecnológicas ligam as pessoas e as empresas, sustentam o desenvolvimento e garantem o progresso. À distância de um nada e no tempo de um gesto convertem a informação na mais valiosa das moedas.